Blog desses tempos

quinta-feira, março 20, 2003


Gostei do texto e copio pra c�, direto l� do blog da Cora.

"Independentemente do resultado �oficial�, os americanos j� perderam a guerra. Podem acabar com o Iraque, reduzir Bagd�, N�neve e Samarra a cinzas, liquidar Saddam Hussein, sua fam�lia, amigos e animais de estima��o, varrer a popula��o civil do mapa e, de lambuja, trazer Bin Laden vestido de odalisca e preso por uma coleira no pesco�o para um tour amplamente televisado do Ground Zero; podem at� ter um surto tardio de consci�ncia e recolher todas as tropas do Golfo P�rsico � mas, a esta altura, nada do que fa�am ou deixem de fazer poder� alterar o resultado do placar.

Em apenas dois anos, como j� observaram tantos comentaristas internacionais, George Bush e o cartel que representa conseguiram transformar a gigantesca onda de simpatia e solidariedade que se formou em torno dos EUA logo ap�s o atentado numa tsunami de antiamericanismo de propor��es nunca vistas.

Conseguiram tamb�m transformar uma imprensa antes forte, independente e admir�vel numa massa t�o amorfa e subserviente que Art Spiegelman, o melhor desenhista da �The New Yorker�, ainda uma das melhores revistas americanas, n�o ag�entou o clima e pediu o bon�, depois de dez anos de magn�ficos servi�os prestados. Diretamente, ali�s, � pr�pria mulher, a diretora de arte Fran�oise Moulay � que permanece a bordo como, diz, �uma esp�cie de ref�m�.

Resultado? O americano m�dio est�, hoje, mais alienado e desvinculado do resto do mundo do que jamais esteve. Ele n�o tem id�ia de como o resto da Humanidade v� o seu pa�s e os seus governantes e n�o se sente mais seguro em lugar algum do planeta � exceto, talvez, no por�o de casa. Onde, com seu consentimento, � vigiado dia e noite pelo governo, enquanto maldiz a R�ssia, muda o nome das batatinhas e joga fora o champanhe que ainda poderia lhe trazer um pouco de alegria."

"(...) Isso n�o significa, logicamente, que se viva melhor no Iraque de Saddam Hussein � ou, de resto, em qualquer pa�s do mundo �rabe, pelo contr�rio. Mas que derrota se pode inflingir a quem j� est� derrotado? A mis�ria n�o � boa conselheira; as condi��es de vida da popula��o iraquiana s�o t�o prec�rias que qualquer carga extra de desgra�a que se lhe lance por cima pode ter conseq��ncias imprevis�veis. N�o h� poder igual ao de quem n�o tem nada a perder, nem loja de lou�as t�o delicada quanto a explosiva regi�o que est� na mira de Bush.

� uma ironia do acaso que o animal que representa seu partido seja um elefante."


Jornal O Globo, Segundo Caderno, 20-03-03